Mais de 50 atores do ecossistema de negócios de impacto estão reunidos para mapear e dar visibilidade às iniciativas que resolvem problemas sociais e/ou ambientais e, de quebra, são sustentáveis financeiramente. São investidores, aceleradoras, incubadoras, fundos de investimento, investidores-anjos, organizações sociais, instituições e empresas buscando a resposta para a pergunta: Quais são e onde estão os negócios de impacto socioambiental do país?

Se você tem uma solução que endereça desafios sociais e ambientais nas áreas de Educação, Saúde, Cidadania, Cidades, Serviços Financeiros e Tecnologias Verdes, participe! Seja contabilizado no 2º Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental, conduzido pela Pipe.Social, que vai traçar o perfil dos empreendedores de negócios sociais e identificar os desafios, oportunidades e necessidades para o setor nos seus diferentes estágios de maturação. A ideia da organização é conhecer e fomentar o pipeline de impacto 2019.

Além de realizar o estudo, a Pipe.Social vai facilitar a vida do empreendedor, otimizando o tempo gasto preenchendo cadastros e se inscrevendo em diversas chamadas. A plataforma é uma vitrine dinâmica, que permite atualizar e acompanhar em tempo real a evolução dos negócios. Ficou interessado? Inscreva-se

Com o cadastro no 2º Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental, os empreendedores também ganharão relevância no ecossistema, inspirando outros empreendedores e contribuindo com a nova geração de empreendedores que trabalham com propósito.

As inscrições ficam abertas de 1º de outubro a 30 de novembro. Depois da coleta de todos esses dados, será realizado um estudo aprofundado sobre a nova economia com análises por vertical de negócio de impacto e também comparativos com o pipeline mapeado no 1º Mapa em 2017. Essa é uma oportunidade também para os atores medirem o tamanho desse mercado no país e o seu potencial de transformação.

Conheça o conglomerado que está apoiando o estudo: Aliança pelos Investimentos e Negócios de Impacto, Itaú, Abellha, ANDE, Anjos do Brasil, Anprotec, Artemisia, Ashoka, Baanko, Bemtevi, BNZ For Startups, CIEB, CESAR, CERTI, CIEDS, Civi-co, Choice, Climate Ventures, Din4mo, Empreende Aí, Endeavor, Fundo Vale, Google Campus, Hype60+, ICE, IDESAM, Impact Hub, Impact Lab, In3citi, Innovativa Brasil, Insper, Kaleydos, Mov Investimentos, Nesst, Palladium, Performa Investimentos, Ponte a Ponte,  PorVir, Positive Ventures, PPA, Quintessa, Raja Valley, Semente, Sense-Lab, Sistema B, Sitawi,  Social Good, Wilinka, Vox Capital.

Afinal, o que são negócios sociais?

Negócios de Impacto são empreendimentos que têm a missão explícita de gerar impacto socioambiental escalável ao mesmo tempo que geram resultado financeiro garantindo a sua sustentabilidade. Geralmente têm como foco resolver os problemas da população de baixa renda nas áreas de educação, saúde, habitação e finanças sociais. Recentemente, com a definição dos 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030 da ONU, pilares como Cidadania e Tecnologias Verdes também têm recebido atenção do ecossistema.  

Descubra a sua vertical de impacto:

Educação: negócios com soluções para todos os segmentos de educação da primeira infância ao ensino superior são bem-vindos. Dentro e fora da escola. Atuando em todos os níveis: pais, alunos, professores, gestores e governo.

Saúde:  desde negócios com soluções específicas para problemas de gestão da saúde (atendimento, governança, análise de dados, redução de custo etc.) até soluções que foquem na melhoria da qualidade de vida de pacientes (diagnósticos, tratamentos, prevenção, suporte, cura etc.).

Serviços Financeiros: soluções financeiras voltados para a base da pirâmide visando redução de custos e escala em áreas como acesso a crédito, transações financeiras, educação financeira, formalização de negócios etc.

Cidadania: negócios com soluções para democracia, gestão de governo, transparência, engajamento cívico, inclusão social, questões de diversidade e gênero, direitos e deveres do cidadão etc.

Cidades: negócios com soluções para mobilidade urbana, habitação, monitoramento de dados, segurança pública, uso de áreas públicas e demais desafios urbanos.

Tecnologias Verdes: todos os tipos de negócios que têm impacto ambiental seja em energia, água, poluição, reciclagem, resíduos etc. Assim como projetos com impacto em agricultura, biotecnologia, análises de atmosfera, soluções para preservação de fauna e flora.